terça-feira, 4 de dezembro de 2012

SALMO 84 – Salmo dos filhos de Core


Apesar de o nome de Davi não constar no título deste salmo, é bem provável que ele tenha sido o autor do mesmo, porque nós vemos aqui o mesmo espírito que movia o grande e mavioso salmista de Israel.
Ele começa com uma declaração maravilhosa e monumental, ao se referir com o seu coração santificado e exultante, aos tabernáculos do Senhor, ou seja, às habitações do Senhor, nas quais Ele era encontrado.
Não propriamente que Deus esteja amarrado a qualquer lugar na terra, mas quando estabelece encontros com o Seu povo, em determinados locais, tanto eles, quanto o local da reunião pode ser chamado de tabernáculo, habitação, ou casa de Deus.
Para os pardais, para as andorinhas, Deus preparou ninhos como  o local de habitação deles, mas para os Seus santos, proveu os altares nos quais derramam seus corações perante Ele, e estes podem ser chamados de as moradas do espírito apropriadamente, porque é nestes encontros com o Senhor que os cristãos encontram o seu verdadeiro habitat, a saber o próprio Deus.
Daqueles que estão em comunhão espiritual com o Senhor, pode se dizer deles que estão na habitação do Senhor dos Exércitos, do Rei e Deus de suas vidas.
Estes que habitam na casa do Senhor são bem-aventurados, porque acham força espiritual na pessoa do próprio Deus, e o louvarão perpetuamente, e o Senhor faz com que os seus corações tenham caminhos retos e planos.
Estando assim ligados a Deus, quando passam pelo vale árido da tribulação, fazem com que seja transformado num manancial de bênçãos.
Eles aumentam em força porque são transformados de glória em glória, em graus cada vez maiores de semelhança com o próprio Deus em que habitam, que é uma fortaleza indestrutível.
O salmista sabia que esta condição de bem-aventurança depende de oração constante, perseverante, e por isso pedia ao Senhor para ouvir a sua oração e contemplasse o rosto do seu ungido, porque para ele, um só dia nos Seus átrios valia mais do que mil, e preferia estar ainda que fosse à porta da casa do Senhor, do que permanecer nas tendas dos perversos. 
Ele sabia que Deus é como a luz e o calor do sol e um escudo impenetrável de proteção para os Seus amados que andam retamente na Sua presença.
Além disso Ele concede a estes graça e glória, sem a qual eles não podem mais viver.
Deste modo, o homem que é realmente feliz é aquele que confia de tal modo no Senhor, tal como o salmista.    


“Quão amáveis são os teus tabernáculos, SENHOR dos Exércitos! 
A minha alma suspira e desfalece pelos átrios do SENHOR; o meu coração e a minha carne exultam pelo Deus vivo! 
O pardal encontrou casa, e a andorinha, ninho para si, onde acolha os seus filhotes; eu, os teus altares, SENHOR dos Exércitos, Rei meu e Deus meu! 
Bem-aventurados os que habitam em tua casa; louvam-te perpetuamente. 
Bem-aventurado o homem cuja força está em ti, em cujo coração se encontram os caminhos aplanados,  o qual, passando pelo vale árido, faz dele um manancial; de bênçãos o cobre a primeira chuva.
Vão indo de força em força; cada um deles aparece diante de Deus em Sião. 
SENHOR, Deus dos Exércitos, escuta-me a oração; presta ouvidos, ó Deus de Jacó! 
Olha, ó Deus, escudo nosso, e contempla o rosto do teu ungido. 
Pois um dia nos teus átrios vale mais que mil; prefiro estar à porta da casa do meu Deus, a permanecer nas tendas da perversidade. 
Porque o SENHOR Deus é sol e escudo; o SENHOR dá graça e glória; nenhum bem sonega aos que andam retamente.  Ó SENHOR dos Exércitos, feliz o homem que em ti confia.” 


3 comentários:

  1. O senhor é o nosso sol nossa alegria,não importa o que vamos passar ele está junto nunca ,jamais vai abandonar os seu filhos basta crer obedecer.

    ResponderExcluir
  2. O senhor é o nosso sol nossa alegria,não importa o que vamos passar ele está junto nunca ,jamais vai abandonar os seu filhos basta crer obedecer.

    ResponderExcluir