sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

EZEQUIEL 4



Esta profecia foi dada a Ezequiel quando Jerusalém estava sendo sitiada pelos babilônios, nos dias do rei Zedequias (sabemos pelo livro de Jeremias que este cerco durou um ano e oito meses), de forma que durante o período do sítio, Ezequiel deveria fazer uma pequena maquete que representasse a cidade de Jerusalém sendo cercada pelos babilônios, tal como já estava ocorrendo, e deveria deitar para dormir somente sobre um dos lados do seu corpo por um determinado período de dias, e depois de cumpridos tais dias determinados pelo Senhor, deveria se deitar sobre o lado oposto.
Ezequiel estava entre os exilados de Babilônia, que haviam sido levados para lá, antes do cerco de Jerusalém, nos dias do rei Joaquim.
Todavia, como o coração dos judeus que estavam em Babilônia, se encontrava em Jerusalém, pensando em retornarem para lá, o Senhor lhes mostrou o que sucederia àquela cidade, e qual era o motivo de tais juízos, conforme se verá nos capítulos seguintes, de maneira que não aspirassem mais retornar para aquilo que seria inteiramente destruído pelo Seu juízo, através do braço de Babilônia.
Ele ficaria deitado sobre o seu lado esquerdo por 390 dias, simbolizando que estava levando sobre si a iniquidade da casa de Israel (Reino do Norte) que havia sido levado para o cativeiro pelos assírios desde 722 a. C.
 E depois deveria ficar deitado 40 dias sobre o seu lado direito, como que levando a iniquidade da casa de Judá (Reino do Sul), que viria a ser levado numa nova leva de cativos para Babilônia, e quando a cidade de Jerusalém e o templo, seriam destruídos e queimados, pelo rei de Babilônia, em 586.a.C.
Esta ordem de Deus ao profeta tinha principalmente o propósito didático de revelar que os israelitas estariam em aperto, e perderiam a liberdade para dormirem em paz enquanto durassem as assolações da dominação estrangeira que estava determinada sobre eles, numa terra estranha. 
No entanto, o tempo de opróbrio de Judá seria menor do que o de Israel (Reino do Norte) porque não se achou mais naquele reino constituído pelas dez tribos do norte, algo bom, como ainda se achava em Judá.  E seria portanto, principalmente através de Judá, que o Senhor daria prosseguimento ao Seu plano de salvar em todas as nações do mundo, pela revelação que continuaria fazendo através deles, até que o Messias se manifestasse. 
Durante o sítio de Jerusalém haveria grande escassez de alimentos na cidade, e isto está descrito neste capitulo de Ezequiel, especialmente no símile que lhe foi dado pelo Senhor, para servir de comparação ao que sucederia aos judeus que estivessem no interior daquela cidade, porque experimentariam a fome a ponto de comerem até mesmo seus próprios filhos, para se alimentarem. 
Então Ezequiel deveria profetizar que Jerusalém não poderia se libertar do sítio que lhe fora imposto pelo Senhor, até que se cumprissem os dias determinados por Ele para o seu fim.
A comida do profeta seria um pão simples feito de trigo, cevada, favas, lentilhas e milho, e durante os 390 dias em que estivesse deitado sobre o seu lado esquerdo (v. 9,10).
Ele deveria também reduzir a medida de água que beberia diariamente (v. 11), para servir de sinal aos judeus sob o cerco de Babilônia que haveria escassez de água para eles.
   Além disso, Ezequiel deveria assar o seu pão sobre excremento humano, para representar que o pão que os israelitas comeriam espalhados entre as nações seria um pão imundo aos próprios olhos deles, tal como seria aos olhos do profeta.
Como Ezequiel disse ao Senhor, que estava constrangido pelo seu próprio amor à lei, que proibia o comer coisas imundas, o Senhor lhe deu no lugar de excremento humano, excremento seco de boi, para que pudesse usá-lo como combustível para assar o seu pão (v. 18).   
Tudo isto estava profetizado na Antiga Aliança como maldições que viriam da parte de Deus sobre o Seu povo, quando eles insistissem em transgredir os Seus mandamentos (veja Levítico 26).
Então eles teriam sobressalto e espanto de espírito ao comerem e ao beberem, em face da grave escassez com que o Senhor faria que viesse sobre eles, em cumprimento às ameaças que lhes fizera desde os dias de Moisés, em caso de descumprimento da Sua aliança.
Quando a Igreja não anda nos caminhos do Senhor, os seus ministros sofrem juntamente com o povo, as correções que lhes vem da parte de Deus, por mais consagrados que sejam a Ele esses ministros, tal como vemos no exemplo do que Ezequiel teve que viver, e não somente Ele, como todos os profetas de Deus que sofreram e foram perseguidos pelo próprio povo ao qual serviam com fidelidade, para o bem deles. 




“1 Tu pois, ó filho do homem, toma um tijolo, e pô-lo-ás diante de ti, e grava nele uma cidade, a cidade de Jerusalém;
2 e põe contra ela um cerco, e edifica contra ela uma fortificação, e levanta contra ela uma tranqueira; e coloca contra ela arraiais, e põe-lhe aríetes em redor.
3 Toma também uma sertã de ferro, e põe-na por muro de ferro entre ti e a cidade; e olha para a cidade, e ela será cercada, e tu a cercarás; isso servirá de sinal para a casa de Israel.
4 Tu também deita-te sobre o teu lado esquerdo, e põe sobre ele a iniquidade da casa de Israel; conforme o número dos dias em que te deitares sobre ele, levarás a sua iniquidade.
5 Pois eu fixei os anos da sua iniquidade, para que eles te sejam contados em dias, trezentos e noventa dias; assim levarás a iniquidade da casa de Israel.
6 E quando tiveres cumprido estes dias, deitar-te-ás sobre o teu lado direito, e levarás a iniquidade da casa de Judá; quarenta dias te dei, cada dia por um ano.
7 Dirigirás, pois, o teu rosto para o cerco de Jerusalém, com o teu braço descoberto; e profetizarás contra ela.
8 E eis que porei sobre ti cordas; assim tu não te voltarás dum lado para o outro, até que tenhas cumprido os dias de teu cerco:
9 E tu toma trigo, e cevada, e favas, e lentilhas, e milho miúdo, e espelta, e mete-os numa só vasilha, e deles faze pão. Conforme o número dos dias que te deitares sobre o teu lado, trezentos e noventa dias, comerás disso.
10 E a tua comida, que hás de comer, será por peso, vinte siclos cada dia; de tempo em tempo a comerás.
11 Também beberás a água por medida, a sexta parte dum him; de tempo em tempo beberás.
12 Tu a comerás como bolos de cevada, e à vista deles a assarás sobre o excremento humano.
13 E disse o Senhor: Assim comerão os filhos de Israel o seu pão imundo, entre as nações, para onde eu os lançarei.
14 Então disse eu: Ah Senhor Deus! eis que a minha alma não foi contaminada: pois desde a minha mocidade até agora jamais comi do animal que morre de si mesmo, ou que é dilacerado por feras; nem carne abominável entrou na minha boca.
15 Então me disse: Vê, eu te dou esterco de bois em lugar de excremento de homem; e sobre ele prepararás o teu pão,
16 Disse-me mais: Filho do homem, eis que quebrarei o báculo de pão em Jerusalém; e comerão o pão por peso, e com ansiedade; e beberão a água por medida, e com espanto;
17 até que lhes falte o pão e a água, e se espantem uns com os outros, e se definhem na sua iniquidade.” (Ezequiel 4)


Um comentário: